.: Prefeitura De Araguaina :.
Quarta-feira, 01 De Fevereiro De 2023 |    CLIMA: Chuvoso de manha. Aberturas de sol a tarde e pancadas de chuva que vao ata a noite. | Mínima: 23ºC | Máxima: 29 ºC
prefeitura de araguaina

Cidadão Empresa Servidor Turista   DAT- Sistema de declação de acidentes astt


Site leilao de Imveis



campanhas





NOTÍCIAS

Além da Sala de Aula: Professora alfabetiza crianças enviando maleta da leitura para casa

Publicado: Data: 07/10/2022 Autor: Ascom

aumnetar letradiminuir letratamanho original imprimir
Plants: image 4 0f 4 thumb

Com 18 anos de experiência na educação, Rogéria Barbosa é a segunda personagem da série que conta a história de educadores araguainenses e iniciativas que estão transformando vidas

Por: Adriana Santana | Fotos: Marcos Sandes

Em homenagem ao Dia do Professor, comemorado no próximo dia 15 de outubro, a Prefeitura de Araguaína está realizando a série “Além da Sala de Aula”. A segunda entrevistada é a pedagoga Rogéria Barbosa, de 39 anos, que tem alfabetizado crianças estreitando o convívio entre escola e família com o Projeto Maleta Itinerante, uma pasta colorida contendo material pedagógico enviada para a casa do aluno.

A série mostra iniciativas que estão transformando a vida de crianças por meio de projetos educativos e atividades extracurriculares nas escolas municipais. Por meio do Maleta Itinerante, em casa, os pais ou responsáveis organizam um horário do dia para explorar o material, incentivando a leitura. Ao final do período com a maleta e realizadas as atividades a família grava um vídeo, pelo celular, do aluno na prática.

“A intenção do projeto é trazer os pais ou cuidadores cada vez mais perto do processo de alfabetização. Com a maleta percorrendo a casa dos nossos alunos estamos vendo crescer, significativamente, a participação da família no aprendizado das crianças, é a escola e família em um só objetivo”, contou a professora do 1º ano da Escola Municipal Luiz Gonzaga, no Costa Esmeralda.

Envolvimento de todos

O Projeto Maleta Itinerante começou no início do ano letivo e contempla ao todo 106 crianças. “O envolvimento de todos foi desde a fase de preparação, com a confecção da maleta de alfabetização, já que tivemos a contribuição dos alunos, dos pais e de toda equipe de apoio da escola. Dentro das malinhas enviamos materiais como o alfabeto, palavras e frases, além de um caderno com textos e outras atividades”, explicou Rogéria.

A atendente comercial, Waleria Pires, 28 anos, é a mãe do pequeno Wilker Gabriel de 6 anos. Ela conta que apesar dos desafios, a nova rotina de estudo com o filho trouxe alegria. “Foi preciso reorganizar nossa rotina em casa para incluir este momento de alfabetização e leitura com o Wilker, e percebemos o quanto ele evoluiu e já está lendo bem, além disso, o projeto nos uniu ainda mais como família”.

Para a dona de casa Dayane Cris, 34 anos, mãe da Viviane Fernandes, o projeto deu mais possibilidade de estudar em casa com a filha. “Esse projeto me ajuda muito como mãe, porque sempre acompanho minha filha com as atividades e incentivo a leitura, mas, sem muitas opções de livro em casa e sem acesso a impressão ficava mais difícil, então, recebendo o material tem sido maravilhoso”.

Leitura e responsabilidade

Além da contribuição da família na alfabetização e incentivo à leitura dos alunos, a maleta itinerante também tem trabalhado a importância da responsabilidade e compromisso.

“Quando enviamos o material para a casa do aluno reforçamos que eles passam a ser os responsáveis pela maletinha e com isso orientamos sobre como cuidar, local adequado de manusear e ainda sobre o compromisso com a realização das atividades e com a data prevista para devolver a maleta”, concluiu a professora.

Amor que faz diferença

 

Rogéria Barbosa é casada e tem dois filhos, são 18 anos de sala de aula. “Aos 12 anos de idade trabalhava em uma casa onde funcionava uma escola e aos poucos, fui me oferecendo para ajudar com os alunos, com isso me apaixonei por ensinar, por levar esses pequenos a reconhecer as letras, formar frases, ler. Tenho muito amor pelo que eu faço e desejo contribuir muitos anos ainda com a educação de muitos”.

 "Tenho muito amor pelo que eu faço e desejo contribuir muitos anos ainda com a educação de muitos”.

 "Percebemos o quanto ele evoluiu e já está lendo bem, além disso, o projeto nos uniu ainda mais como família"


 
Para a Dayane Cris, mãe da Viviane Fernandes, o projeto deu mais possibilidade de estudar em casa com a filha

Publicado: Data: 07/10/2022 Autor:Ascom







voltar