.: Prefeitura De Araguaina :.
Domingo, 15 De Dezembro De 2019 |    CLIMA: Sol e aumento de nuvens de manha. Pancadas de chuva a tarde e a noite. | Mínima: 21ºC | Máxima: 33 ºC



Cidadão Empresa Servidor Turista  

campanhas





NOTÍCIAS

Prefeitura analisa doação de área para instalação da Fazenda da Esperança

Publicado: Data: 09/10/2015 Autor: Ascom

aumnetar letradiminuir letratamanho original imprimir
Plants: image 4 0f 4 thumb

Unidade em Araguaína tem a expectativa de atender, inicialmente, 30 pessoas para recuperação de dependências químicas

Por Joselita Matos 

Durante uma reunião realizada na manhã desta sexta-feira, 9, o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, analisou a possibilidade de doação de uma área para a instalação e implantação de uma unidade da Fazenda da Esperança na cidade. A área ainda será escolhida e depois de todos os trâmites legais, o processo para a construção será iniciado.

Estavam presentes à reunião o bispo da Diocese de Tocantinópolis, Dom Giovanni Pereira de Melo; o conselheiro da Região Centro Norte da Fazenda da Esperança, Wanderson Mendes; o diácono Álvaro Nascimento Cunha, e o representante da Universidade Católica de Goiás (UCG), Rodolfo Petrelli. Os secretários da Habitação, Geraldo Silva, e do Trabalho e Ação Social, José da Guia, também participaram do encontro.

Dimas apontou algumas regiões no perímetro urbano de Araguaína onde a unidade pode ser instalada. Esclarecendo que será realizado todo um processo legal, respeitando os trâmites, destacando que a Prefeitura vai ajudar nesse procedimento.

O conselheiro da Fazenda da Esperança, Wanderson Mendes, explicou o interesse de se instalar uma unidade em Araguaína. “Temos várias pessoas daqui de Araguaína que buscaram tratamento na Fazenda da Esperança em Palmas. Então temos essa necessidade de ajudar essas pessoas que buscam tratamento, facilitando para elas o acesso a esse acompanhamento e sua recuperação”, comentou.

De acordo com Mendes, inicialmente a unidade de Araguaína vai atender 30 pessoas e o prazo de recuperação é de 12 meses. “Durante o tratamento, elas terão acompanhamento de profissionais e atividades voltadas ao trabalho e convivência”, especificou.

Publicado: Data: 09/10/2015 Autor:Ascom







voltar